Pesquisar este blog

Carregando...

Unificações italiana e alemã: resumo e questões com gabarito

Postagem atualizada em 11/11/2013

Olá, 

Este é um material de estudo muito importante para o Enem, pois trata da formação de duas das nações mais importantes do mundo e que estão no centro das discussões sobre a solução da crise econômica europeia. Como há poucas questões, todas as questões que os colegas professores e alunos enviarem serão aproveitadas. Agradeço antecipadamente.

Marco Aurélio

RESUMO
UNIFICAÇÕES ITALIANA E ALEMÃ

1. Aspecto comum e unificação italiana: . Uma dominação: Na verdade, as chamadas unificações não passaram de dominações de uma região interessada em ter sob seu domínio outras regiões e mercados. Assim, foi o mais industrializado Piemonte que unificou a Itália e, principalmente, foi a poderosa Prússia que conquistou os pequenos reinos alemães. Ambas as unificações se deram com o uso do discurso nacionalista, onde os ‘ocupados’ apoiavam a unificação.

. Caráter da união italiana: A unificação italiana foi menos autoritária do que a alemã , também, foi feita com maior dificuldade do que aquela. Em todas as regiões anexadas por Piemonte, houve plebiscitos de aceitação ou não da anexação, ganhas facilmente a favor, visto que havia um forte discurso nacionalista que lembrava os tempos do Império Romano. Paralelo ao processo de unificação, houve também lutas populares pela melhoria das condições de vida do povo pobre.

. A situação em 1815: O que viria a ser a Itália era dividida em vários reinos. No Norte havia o reino livre de Piemonte-Sardenha e outros pequenos reinos subordinados ao Império austríaco. No centro, havia reinos ligados ao papa e no Sul o reino das duas Sicílias, de caráter francamente absolutista.

. As revoluções de 1830 e 1848: Nessas duas revoluções, o líder Mazzini lutou pela união da Itália. Em ambas revoltas, a Áustria interviu sufocando o movimento.

. Guerra de Piemonte com a Áustria: Em 1859, o reino de Piemonte se alia à França conta a Áustria, anexando um território no Norte e no Centro do país e entregando uma parte do território de Piemonte para a França. É o início do processo de unificação, sendo que Veneza continuava nas mãos da Áustria.

. Campanha de Garibaldi: O republicano Garibaldi, líder dos camisas vermelhas inicia uma marcha no Sul em 1860 e derrota a monarquia da região, unindo o Sul ao território de Piemonte.

. Fim da unificação: Em 1866 com a guerra austro-prussiana, a Itália se alia à Prússia e toma Veneza e em 1870 invade Roma, que era posse da Igreja, concluindo o processo. O papa não aceita a invasão e estabelece-se a questão romana resolvida apenas em 1929 com a criação do Estado do Vaticano.

. Conseqüências da unificação: O norte do país se industrializou depois da unificação e o Sul continuou miserável, com grandes crises de fome, criando levas de imigração para a América e dando origem às máfias.

2. A unificação alemã: . Caráter geral: Diferentemente da Itália, a união alemã foi mais autoritária e deu-se através de três guerras, dando origem a um forte e industrializado país. Um personagem importante para unificação foi o primeiro-ministro Otto von Binsmarck que articulou a política externa da unificação, forjando as guerras.

. Origens: No Congresso de Viena, ficou decidida a criação da Confederação Alemã, formada pela Áustria, a Prússia e uma série de pequenos reinos que existiam na região do atual território alemão. Ainda, a Prússia anexa a rica região do Reno e começa a disputa com a Áustria pela anexação dos pequenos reinos.

. A Prússia: O estado prussiano era centralizado e tinha um poderoso exército. Há uma aliança entre uma classe de proprietários, os junkers com a burguesia nacional, aliança esta em proveito do desenvolvimento do país.

.O Zollverein e as ferrovias: Em 1834, a Prússia e os pequenos estados alemães fazem um pacto criando um mercado comum, o Zollverein. Esse mercado seria consolidado com uma ampla rede de ferrovias ligando suas regiões, o que facilitará a integração econômica e a movimentação das tropas nas guerras de unificação.

. Guerra com a Dinamarca: Sob desculpa de que o Sul da Dinamarca continha uma população germânica, em 1864, Prússia e Áustria invadem o país e dividem o tal território em dois, um pedaço para cada.

. Guerra contra a Áustria: Alegando que a administração austríaca na região dinamarquesa ocupada era mal feita, a Prússia declara guerra à Áustria, tomando a região dinamarquesa e os reinos do Norte.

. Guerra com a França: Como a França não permitia a anexação prussiana de reinos independentes da Confederação Germânica, a Prússia inventa outro argumento estapafúrdio para fazer a guerra com aquele país, obtendo outra fácil e rápida vitória. Toma os reinos ao Sul da Alemanha, a Alsácia e a Lorena da França e ainda uma pesada indenização de guerra, trazendo a humilhação da nação francesa.

. Consequências: Em 1871 a Alemanha é totalmente unificada pela Prússia. Tem continuação um processo extremamente rápido de industrialização, a mais rápida e voraz da Europa. Porém, a Alemanha não dispõe de uma poderosa marinha, o que atrapalhará sua expansão no Imperialismo e fica temendo o revanchismo francês, fazendo diversas alianças contra aquele país. A guerra franco-prussiana vai ser uma das mais importantes causas da Primeira Guerra Mundial.


QUESTÕES
UNIFICAÇÕES ITALIANA E ALEMÃ


(UFS/SE) - Universidade Federal de Sergipe -
Questão 1:
Em 1870 o mapa da Europa sofreu profundas modificações. Novas forças apareceram [...], nascidas da aspiração pela independência e da unidade nacional.
(René Rémond. O século XIX. Trad. São Paulo: Cultrix, 1974, p.160)
Analise as proposições que definiram as mudanças a que o texto faz referência e assinale a alternativa INCORRETA.
A - O articulador da unificação no sul da Itália foi o republicano Garibaldi que organizou a insurreição no Reino das Duas Sicílias, reunindo um exército de voluntários conhecido como os Mil de Garibaldi.
B - A unidade italiana obteve êxito com a aliança do Reino do Piemonte-Sardenha com a França de Napoleão III para anexar territórios italianos ao norte, sob o domínio da Áustria.
C - Quando as tropas francesas abandonaram o Estado Pontifício para enfrentar os alemães, as forças de unificação invadiram Roma, transformando-a na capital italiana, o que foi consagrado em um plebiscito.
D - Pelo tratado de Frankfurt a França pagou uma indenização à Alemanha, bem como lhe entregou as províncias de Alsácia-Lorena, fomentando o revanchismo francês e o desenvolvimento industrial alemão.
E - A aliança entre os reinos da Prússia, Moravia e a França incentivou os movimentos de libertação nacional no Império Austro-Húngaro e favoreceu a criação do Estado Nacional Prussiano.

(UFV/MG) - Universidade Federal de Viçosa -
Questão 2:
A expressão Risorgimento designa o conjunto de movimentos heterogêneos que desejaram a unificação da Itália no século XIX. A vertente vitoriosa que promoveu a unificação da Itália foi:
A - o projeto republicano de Giuseppe Mazzini, que criou o movimento Jovem Itália.
B - o movimento popular e secreto dos Carbonários, que defendeu a instituição de um Estado unitário e laico, contra a influência da Igreja e do Império Austríaco.
C - o Papado, que defendeu a instituição de uma monarquia teocrática com sede no Vaticano.
D - o movimento liderado pelo reino do Piemonte-Sardenha, que adotou uma monarquia constitucional laica e favoreceu a industrialização.

(UFG/GO) - Universidade Federal de Goiás -
Questão 3:
A unificação italiana, no final do século XIX, ameaçou a integridade territorial da Igreja. Esse impasse resultou:
A - no reforço dos sentimentos nacionalistas na Itália, provocando a expropriação das terras da Igreja;
B - no envolvimento da Igreja em lutas nacionais, criando congregações para a expansão do catolicismo;
C - na adoção de atitudes liberais pelo Papa Pio IX, como forma de deter as forças fascistas;
D - na assinatura do Tratado de Latrão, em 1929, quando Mussolini criou o Estado do Vaticano;
E - no Risorgimento, processo em que segmentos ligados à Igreja defenderam a Itália independente.

(UnB/DF) - Universidade de Brasília -
Questão 4: A respeito dos processos de unificação da Itália e da Alemanha, julgue os itens abaixo:
1 - As duas tentativas de unificação ocorreram ao mesmo tempo, por ocasião das revoluções de 1848, sendo que os dois países só conseguiram obtê-la entre 1870 e 1871.
2 - As guerras contra a Dinastia, a Áustria e, principalmente, contra a França foram os meios encontrados por Bismarck para despertar o sentimento nacional germânico.
4 - As transformações econômicas e sociais, no sul da Península Italiana, especialmente o desenvolvimento industrial e o crescimento das cidades, foram impulsos relevantes para a unificação da Itália.
8 - O Império Alemão nasceu da união do Norte com o Sul, conseguida pela Prússia, em 1871.

(FUVEST/SP) - Fundação Universitária para o Vestibular -
Questão 5: A unificação da Alemanha, a partir de meados do século XIX, foi facilitada por três guerras, quais sejam:
A - as guerras da Criméia de 1854-56, entre a Prússia e a Áustria de 1866 e entre a Prússia e a França de 1870;
B - as guerras entre a Prússia e a Dinamarca de 1864, entre a Prússia e a Áustria de 1866 e entre a Prússia e a França de 1870;
C - as guerras da Criméia de 1854-56 e entre a Prússia e a França de 1870;
D - as guerras dos Sete Dias entre a Prússia e a Suécia de 1854, entre a Áustria e a Bavária de 1869 e entre a Prússia e a França de 1870;
E - as guerras entre a Prússia e a Polônia de 1861, entre a Prússia e a França de 1865 e entre a Áustria e a Bavária de 1869.

(UEPG/PR) - Universidade Estadual de Ponta Grossa -
Questão 6: A onda nacionalista que tomou conta da Europa ao longo do século XIX desempenhou um papel relevante nos processos de unificação da Itália e da Alemanha. Com respeito ao processo alemão de unificação, é incorreto afirmar:
A - O Zollverein, instituído na Alemanha em 1834, constituiu no estabelecimento de fortes barreiras alfandegárias que dificultavam o intercâmbio entre os diversos Estados alemães.
B - O primeiro-ministro alemão, Otto von Bismarck, era um ardente defensor da unificação alemã e se valeu de todos os recursos, inclusive da guerra e da repressão contra seus adversários, para implementá-la.
C - A partir de meados do século XIX, ganhou força, nos diferentes Estados alemães, a idéia da unificação. Enquanto os nacionalistas pregavam a união étnica e cultural do povo alemão, os burgueses defendiam a unificação como um instrumento capaz de favorecer o desenvolvimento industrial e comercial alemão.
D - Completado o processo de unificação política, a Alemanha acelerou seu desenvolvimento industrial, tornando-se uma das mais poderosas potências européias.
E - No início do século XIX, dezenas de Estados que viriam posteriormente compor a Alemanha formavam, com a Prússia e com a Áustria, a Confederação Germânica. Alguns desses Estados apresentavam uma economia predominantemente agrícola e outros procuravam impulsionar a industrialização.

(VUNESP) - Fundação Vunesp -
Questão 7:
Nas últimas décadas do século XIX, na Europa, dois países ainda lutavam pela unidade e pela consolidação de um Estado Nacional. Esses países são:
A - França e Itália.
B - França e Alemanha.
C - Itália e Espanha.
D - Alemanha e Itália.
E - Espanha e França.

(UERJ) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro -
Questão 8:
Em 1860, um contemporâneo da unificação da Itália afirmou:
"Fizemos a Itália; agora precisamos fazer os italianos".
(D’AZEGLIO, Massimo (1792-1866). Apud HOBSBAWM, E. A era do capital:1848-1875. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.)
Essa frase traduz uma particularidade da construção da unidade italiana, que é identificada na:
A - divergência entre nacionalismo e nação-estado;
B - fusão entre nacionalismo de massa e patriotismo;
C - adoção da língua italiana no dia-a-dia da população;
D - união entre os interesses dos partidários da Igreja e da República.

GABARITO:
questão 1: E
questão 2: D
questão 3: D
questão 4: 11
questão 5: B
questão 6: A
questão 7: D
questão 8: A

Um comentário: